segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Sessão da Tarde


Recentemente, vi a notícia em mais de um meio de comunicação de que a Sessão da Tarde pode estar com os dias contados. Devido ao aumento do número de pessoas com TV a cabo no Brasil (entenda-se como GatoNet) e a atual facilidade e conveniência dos filmes em streaming, muita gente deixou de ver filmes em TV aberta. Antigamente - e nem faz tanto tempo assim - um filme demorava cerca de três anos desde o lançamento nos cinemas até sua transmissão "pela primeira vez na televisão", como o SBT gostava de dizer nas suas chamadas. É claro que hoje em dia é muito mais cômodo pagar 10 ou 12 paus num DVD original do que esperar tudo isso pra ver um filme mal dublado, mal editado e cheio de comerciais no meio.
Mesmo assim, era muito legal quando, por exemplo, a Globo fazia aqueles comerciais entre os blocos da novela das oito anunciando os filmes que iriam passar naquele ano.
Em termos de tempo, não faz tanto assim. No entanto, as coisas estão mudando cada vez mais depressa e, apesar do acesso à informação de maneira geral ter ficado bem mais fácil (mesmo!), cada vez mais parece que as pessoas estão aprendendo as coisas antes do tempo.

A Sessão da Tarde marcou uma época muito mais simples da minha vida: do finalzinho da infância aos últimos dias da adolescência. Quando digo isso, não entenda como "dos dez aos dezoito anos". Cada um tem seu próprio tempo de crescer.
Esqueça também os filmes panacas que a Globo tem passado no horário nos últimos anos. Quando me lembro da Sessão da Tarde que marcou a minha vida, me refiro ao período que compreende a segunda metade da década de noventa e os dois ou três primeiros anos do Século XXI. Não é exagero afirmar que esse período ajudou a fixar de vez em mim o amor - droga, por que não? - pela sétima arte. Mas, acima de tudo, a verdade é que aqueles filmes que foram reprisados milhares de vezes nas tardes de segunda a sexta eram melhores dos que os de hoje. Mesmo sendo filmes de dez, quinze, até vinte anos antes.

Pesquisando na net, percebi facilmente que não sou o único viúvo da Sessão da Tarde - que ainda não "morreu, embora já esteja respirando com ajuda de aparelhos faz tempo, mesmo tendo passado Os Caça-Fantasmas recentemente. Muita gente da mesma faixa etária que eu sente saudade daquela época. Então, esse post é uma homenagem à prima mais velha do Cinema em Casa, a mãe da Temperatura Máxima e a tia do Cine Trash (sim, Cine Trash mesmo, e daí?!).

Lembrando que os filmes abaixo, de uma forma ou de outra e em menor ou maior escala, marcaram a minha vida nessa época em particular, por isso não estranhe a ausência de clássicos como Feitiço de Áquila ou Mulher Nota 1000.

E que se foda, começo a escrever este post ouvindo a trilha sonora COMPLETA DE CURTINDO A VIDA ADOIDADO!!!


Aliás, muita gente considera Curtindo a Vida Adoidado o melhor filme desse gênero que eu chamo de sessãodatardístico. Pessoalmente, acho difícil votar em um único título, mas sem dúvida esse está entre os cinco melhores, no mínimo. Ferris Bueller Day Off (1986) marcou uma época um pouco mais inocente mas não menos divertida dos chamados filmes de adolescente dos anos oitenta. O diretor John Hughes, especialista em escrever e dirigir filmes do tipo, vai ganhar um post por aqui logo logo.
Curtindo A Vida Adoidado tem todos os elementos existentes nos clássicos da Sessão da Tarde: personagens totalmente carismáticos, ótimos atores, direção competentíssima além, é claro, da trilha sonora emblemática.

Acredito que uma citação de Ferris pode sintetizar bem o que é o filme como um todo:

"Life moves pretty fast. If you don't stop and look around once in a while, you could miss it."

Curtindo A Vida Adoidado
No filme, acompanhamos um dia na vida de Ferris Bueller, adolescente em seu último ano de escola que acorda num belo dia de sol e decide matar aula. Como todo mundo que já matou aula uma vez na vida sabe, não é tão fácil quanto parece: além de enganar os pais fingindo estar doente, ainda tem que dobrar a desconfiança da irmã mais nova que sabe que você não está mal coisa nenhuma, além de arrumar uma boa desculpa para a direção da escola.

Falando em personagens carismáticos, além do trio de protagonistas, está em Curtindo a Vida Adoidado o melhor (mesmo!) antagonista da história do cinema: Ed Rooney, o diretor da escola de Ferris. Méritos não só da criatividade de John Hughes (que só levou seis dias para escrever o roteiro) mas também da ótima atuação do ator Jeffrey Jones e da atriz Edie McClurg, que faz sua assistente.

Como se não bastasse, Curtindo a Vida Adoidado tem a melhor cena de créditos finais de todos os tempos, ao som da clássica Oh Yeah, do Yello.

Com Matthew Broderick, Alan Ruck, Mia Sara e Jennifer Grey.

SAVE FERRIS!



Rambo - Programado Para Matar
Na época em que a censura pegava mais leve com a TV aberta - se bem me lembro, foi na época de Laços de Família que isso começou a mudar, embora eu não esteja culpando a novela por isso - era possível ver filmes com violência gratuita passando no horário vespertino. Melhor dizendo, bons filmes violentos que não levavam ninguém a sair atirando por aí.
Sylvester Stallone é um dos poucos atores com dois personagens realmente marcantes na carreira, daqueles em que não se consegue imaginar outro ator no papel. Um deles é John J. Rambo, um ex-combatente da Guerra do Vietnã que não consegue se ajustar à vida civil, já que a população estadunidense se voltou contra seus próprios combatentes quando estes voltaram para casa. Embora não seja propriamente um filme de guerra, creio que Rambo seja o personagem ligado ao conflito do Vietnã mais conhecido do cinema.
O primeiro Rambo (First Blood, no original e com o subtítulo Programado Para Matar aqui no Brasil), de 1982, embora as três sequências façam duvidar, é um ótimo filme. Tem muito mais profundidade do que muita gente imagina; veja o diálogo final e vai saber do que eu estou falando. Essa eterna desconfiança com este filme se dá, como eu disse anteriormente, pelo fato de ter se tornado uma franquia não tão boa e, sobretudo por Stallone ter escolhido o caminho de se tornar um ator quase exclusivamente de ação nos anos seguintes... e esse gênero é complicado para se fazer filmes realmente bons.
O roteiro é bem simples: ao passar por uma cidadezinha no interior dos Estados Unidos, Rambo é tratado como vagabundo pelo xerife local e, depois de fugir da prisão, se revolta contra os civis. O ator Brian Dennehy manda muito bem como o xerife e Richard Crenna interpreta o papel que o marcou, o do Coronel Trautman, que tenta salvar a pele de Rambo.
Entre a época em que esse filme passava na Sessão da Tarde e hoje, vi muita coisa e, é claro, meu nível de exigência aumentou muito, mas naqueles dias esse filme era um dos meus favoritos. Estava no meu Top 10.
O que muita gente não sabe é que Rambo é baseado em um livro, escrito por David Morrell, no qual tem um desfecho diferente. O final do filme, aliás, pode ter sido alterado para que houvesse um gancho para uma possível sequência, que realmente aconteceu e que também virou um clássico da Sessão da Tarde. Muita gente prefere o segundo filme ao original.





Rocky IV
Com exceção do sexto filme, toda a saga de Rocky Balboa foi figurinha carimbada nos bons tempos da Sessão da Tarde. É uma das poucas franquias, aliás, que manteve mais ou menos o mesmo nível a partir do segundo filme - o quinto é uma lástima desnecessária. Embora o primeiro seja considerado o melhor, a verdade é que o dois, o três e o quatro são verdadeiros clássicos.
Rocky IV, aliás, foi o que mais vezes vi nas tardes da Globo. Acredito que seja o que mostra a a luta mais brutal do Garanhão Italiano, que desta vez viaja até o frio da União Soviética para desafiar o gigante Drago que, ao vencer Apollo Creed em uma luta de exibição, acabou matando-o. Particularmente, eu acho que Stallone cometeu um erro ao matar um dos personagens mais importantes da série, porque posso imaginar fácil fácil ambos jogando uma partida de damas no sexto filme, lançado em 2006.
Rocky IV é, talvez, o longa com a trilha mais legal da série, com músicas como Burning Heart, Sweetest Victory, No Easy Way Out e Living in America.

 "Se eu posso mudar... e vocês podem mudar... TODO MUNDO PODE MUDAR!"




Batman - O Retorno
Hoje em dia, depois de Christopher Nolan e coisa e tal, é difícil imaginar algum guri vibrar com Michael Keaton como Batman, mas a verdade é que vinte anos atrás era justamente esse o mais alto que o Homem-Morcego havia chegado no cinema. E ambos os filmes dirigidos por Tim Burton, em 1989 e 1992 passaram muito na Sessão da Tarde.
Na época eu era doido por HQ's da DC Comics, então aproveitava cada oportunidade que tinha quando a TV aberta passava um dos dois filmes. Era isso ou desembolsar uma boa grana comprando o VHS em alguma loja e, mesmo assim, correndo o risco de ver sua fita embolorar se não cuidasse direito. Lembro que toda vez que terminava um dos filmes me dava uma tristeeeeza porque não sabia quando iria passar de novo.
Hoje em dia, tenho o DVD de ambos, mas depois de Christian Bale, Heath Ledger e Cia, não é sempre que os pego para assistir. Mas sempre teremos Kim Basinger e Michelle Pfeiffer.

Apesar de passar muitas superproduções, o "gênero" que mais marcou esse período sessãodatardístico da TV brasileira foi o dos filmes adolescentes - que inclui o supramencionado Curtindo A Vida Adoidado.

O maior expoente desses filmes é o diretor/escritor John Hughes, que dirigiu oito filmes e escreveu quase cinquenta. No entanto, as produções desse tipo não foram exclusividade de Hughes.
Outro aspecto interessante desses filmes é o grande número de atores que praticamente sumiram nos anos seguintes. Ou morreram. A maioria dos que se mantiveram ou voltaram aos holofotes mal é relacionado aos papéis daquela época.




Quase Igual Aos Outros é um dos filmes mais legais dessa leva de filmes adolescentes dos anos oitenta. Quem não se lembra da gatinha Joyce Hyser tendo que se disfarçar de garoto por alguns dias pra fazer uma reportagem para o jornal em que faz estágio?




Um dia desses eu estava garimpando nas prateleiras dos filmes de segunda nas Lojas Americanas (daqueles de dez, doze paus, bem longe da prateleira dos lançamentos e boxes, na casa dos cinquenta e sessenta) e encontrei Te Pego Lá Fora, no qual o protagonista, um jovem nanico arruma briga com o grandalhão recém-chegado à escola e tem até o final da aula pra fugir do cara. Como nada é perfeito, o DVD só tem o áudio original (e eu prefiro audio original, mas Sessão da Tarde que se preze tem que ser dublado e a dublagem tem que ser a antigaça!), diferente do de Curtindo A Vida Adoidado.




RoboCop

Ahhhh, o Policial do Futuro... não dá pra não falar dele. Todos os três filmes passaram nas tardes da Globo, mas só o primeiro realmente presta. Atualmente, estamos numa crise criativa dos diabos e o cinema está recheado de remakes inúteis e desnecessários. Tá certo, eu adoraria trabalhar com José Padilha, mas meu, meeeeeu, RoboCop NÃO PRECISA DE REMAKE.

E estão falando em refazer Exterminador do Futuro, Cemitério Maldito...




Assim como o Batman de Tim Burton, outro herói dos quadrinhos da DC Comics que teve toda a sua saga vista pelas donas-de-casa e estudantes colegiais nos anos noventa na TV foi o Superman protagonizado pelo Christopher Reeve. Tudo bem que o terceiro e quarto filme são duas porcarias, mas aos 12 anos a gente não costuma se importar em ver porcarias divertidas. E os dois primeiros são dois clássicos.




Reprisado duas mil quatrocentas e trinta e duas vezes, A Lagoa Azul é provavelmente o  mais reprisado da história. Ahhhhhh, Brooke Shields. Teve uma sequência com a Milla Jovovich que foi reprisada setecentas e vinte e sete vezes.




Apesar de filmes como A Sombra e A Escuridão, Ghost e Robocop, o gênero que dominou a Sessão da Tarde em seus áureos tempos foi a comédia. Desses, Uma babá Quase Perfeita é um dos melhores, com Robin Williams em seu melhor papel... o de um ator que precisa se disfarçar de governanta inglesa a fim de ver seus filhos todos os dias. A cena em que dança Dude Looks Like a Lady, do Aerosmith é antológica.




Durante um bom tempo, Dirty Dancing foi meu favorito entre todos eles. Isso numa época em que não era tão fácil de ouvir músicas pela internet - consegue imaginar isso? - então, além de esperar MESES pra ver o filme de novo, se você quisesse ouvir qualquer música da trilha sonora tinha que rezar pra tocar em alguma rádio. E que trilha sonora a desse filme, possivelmente uma das três melhores da Sessão da Tarde.





Conta Comigo não é só um clássico sessãodatardístico, mas um dos melhores filmes de todos os tempos, embora nem todo mundo o conheça. Integra o meu Top 10 fácil, fácil.




Corey Feldman (Conta Comigo; Os Goonies; Sem Licença Para Dirigir) e seu xará Corey Haim (Sem Licença Para Dirigir; Bala de Prata) fizeram parte da leva de atores teen que estrelaram alguns dos clássicos dos anos oitenta. Nesse aqui, eles tentam impedir que a gangue de vampiros liderados por Kiefer Sutherland domine uma cidadezinha. Um dos melhores e mais divertidos filmes de vampiro da década, ao lado de A Hora do Espanto.



"Daniel San!!! Encera carro!". Embora o remake protagonizado por Jackie Chan e o filho do Will Smith em 2010 não seja tão ruim, o clássico com o eterno Pat Morita é inigualável. Tá bom, não é um puuuuuta filmaço, mas marcou época e o golpe que "Daniel San" aplica no final virou marca registrada dos filmes da série - assim como a música Glory of Love, de Peter Cetera, tema da segunda parte. Mesmo o quarto filme, com a Hilary Swank no lugar de Ralph Macchio, passou inúmeras vezes depois do Vale a Pena Ver de Novo.




Além dos filmes teen, as tardes da Globo nos velhos tempos eram estreladas também por bichos superdotados: macacos que jogavam basquete, cachorros que jogavam futebol americano, baleias assassinas que fugiam do SeaWorld (cara, assisti a um documentário chamado Blackfish sobre esse assunto que me impressionou tanto que vai virar post aqui), etc, etc, etc...
No entanto, o único desses filmes estrelados por animais que realmente é bom - ótimo, na verdade - é Fluke - Lembranças de Outra Vida, de 1995. Aqui em casa, costumo brincar que Fluke é uma espécie de Ghost do mundo animal. Tocante até o último fio de cabelo (ou pêlo), conta a história de um empresário que morre em um suspeito acidente de carro e renasce como um cão. No entanto, ele tem algumas memórias confusas sobre a sua vida passada e, pressentindo que sua família corre perigo, tenta encontrá-los e protegê-los. Tem um dos finais mais sessãodatardisticamente emocionantes.




Edward Mãos de Tesoura é uma bela fábula timburtoniana que conta a lenda sobre o motivo que leva a nevar. Filme bonitinho com clima natalino com Johnny Depp e Winona Ryder.





Bill Murray a Dan Aykroid também fazem parte da turma dos filmes de comédia dos eighties, embora já fossem um tanto rodados na época. Os dois filmes também fizeram várias vezes as honras de precederem Malhação... ou, em muitos casos, o Globo Notícia. Os Caça-Fantasmas... quem você vai chamar?





O bom e velho tuba do Spielberg...





Igual ao Tubarão, mas com uma baleia orca. Não é tão ruim quanto parece. E é com o Richard Harris, um baita ator.





Falcão - O Campeão dos Campeões
Legal sem ser genial. E da música do Kenny Loggins.






Sem Licença Para Dirigir. O melhor da carreira de Corey Haim.





Os Fantasmas Se Divertem
O Michael Keaton é muito melhor como o Besouro Suco do que como Batman... e tão falando de sequência por aí.






Sabia que por muito pouco o papel de Axel Foley não foi parar nas mãos de Sylvester Stallone? Eu adoro o cara, mas Eddie Murphy É Um Tira da Pesada.





Tudo Por Uma Esmeralda e A Jóia do Nilo são os primos pobres dos Indiana Jones. Mas muito bons!





O Rapto do Menino Dourado
Um dos melhores filmes da Era de Ouro de Eddie Murphy. "E-e-e-eu quero o punhaaaal"




Os Aventureiros do Bairro Proibido
O melhor filme do Kurt Russell.


Alta Tensão
Mel Gibson e Goldie Hawn? Tá sumidaça ela, mas é bem divertido esse filme.

 


De Volta Para o Futuro
Está entre os dez melhores filmes de ficção científica de todos os tempos, sessãodatardístico ou não.





Top Gang 2 - A Missão
Os dois Top Gang e os três Corra Que A Polícia Vem Aí - Leslie Nielsen, eterno - são os melhores filmes-paródia-com-outros-filmes que já foram feitos... e sem deixarem de ser totalmente originais.





Top Gun - Ases Indomáveis
Tom Cruise podia até arrancar suspiros da mulherada nesse filme aí, mas me desculpem, a Kelly McGillis está demais. E tem uma das melhores cenas de amor da história, ao som de Take My Breath Away, do Berlin (acabei de descobrir que postei essa música QUATRO vezes aqui...)



Os três filmes da cinessérie Corra Que A Polícia Vem Aí são antológicos. Fora que o Leslie Nielsen dublado pelo Marcio Seixas ficou perfeito.






Um Príncipe em Nova York
Junto com Um Tira da Pesada, esse é o melhor filme do Eddie Murphy.





A Família Addams




 Meu Primeiro Amor





Não acreditei quando vi Um Tira e 1/2 numa lista de piores filmes de todos os tempos. O que esses caras têm na cabeça?! Burt Reynolds está muito bom! E a cena do molequinho? "Me dá um leite... num copo sujo!"


A Cura
Com o molequinho do primeiro Jurassic Park. Ele manda muito bem nesse filme.




Velocidade Máxima
Da época de meu amor platônico pela Sandra Bullock. Não que isso tenha mudado... continua platônico.



O Mentiroso




Ace Ventura - Um Detetive Diferente
Uma boa oportunidade de ver Sean Young em outro papel que não o em Blade Runner.




Abracadabra
Mano, sem maldade, mas a Sarah Jessica Parker ficou muito mais bonita com a maquiagem de bruxa do que... bom, ela mesma!




Os Goonies
Pra muita gente, o melhor sessãodatardístico de todos os tempos. Eu não discuto, mas... quem sabe?



Águas Perigosas





Os Deuses Devem Estar Loucos
Tenta encontrar esse filme em DVD, tenta?




Volta Por Cima
Bonitinho. E a foto acima diz muita coisa, não? Kirsten Dunst e Mila Kunis, novinhas e de biquini. E não acho esse filme em lugar nenhum...





Mortal Kombat - O Filme
Não fosse pelos efeitos especiais ridículos, não seria tão avacalhado pelos fãs de games. Eu, particularmente, gostei pra caramba. E a trilha sonora é muito louca



Convenção das Bruxas





Class Act - Alunos Muito Loucos





Babe - O Porquinho Atrapalhado
Melhor do que muita gente imagina.






A Família Buscapé
Muito bom. Jim Varney é o cara!




K9 - Um Policial Bom Pra Cachorro
É bem legal, um clássico mesmo, James Belushi está muito bem. Mas tem o pior subtítulo em português de todos. "Um policial bom pra cachorro"?






O Pai da Noiva
Steve Martin manda muito bem. Tem uma sequência.





 Dr. Hollywood - Uma Receita de Amor
Bonitinho pacas esse filme com o adolescente mais velho do mundo, o Michael J. Fox.






 A Maldição de Samantha
Esse é um clássico que pouca gente conhece. Mano do céu, eu tinha um medo da porra quando a Kristi Swanson ficava do mal!


 




 S.O.S  - Tem Um Louco Solto no Espaço




 Cocoon






Um Morto Muito Louco




 O Professor Aloprado

O último filme engraçado do velho Eddie.






 Vice Versa





Construindo Uma Carreira
Mia Sara que me perdoe, mas Jennifer Connelly nesse filme é insuperável como a Musa da Sessão da Tarde... de todos os tempos!



 


O Jardim Secreto





O Carro Desgovernado



Corina - Uma babá perfeita



Um dia a casa cai






Harry - Um Hóspede do Barulho

 




Um Tira no Jardim de Infância

 




 As Minas do Rei Salomão





Dias de Trovão





The Wonders - O Sonho Não Acabou
No final do filme, a música-tema fica na cabeça.





Congo





Ghost - Do Outro Lado da Vida





Mudança de Hábito






O Exterminador do Futuro 2 - O  Julgamento Final




A Pequena Espiã






Olha Quem Está Falando
Por onde anda Kirstie Alley?





Quero Ser Grande





Beethoven - O Magnífico





Milionário Num Instante





As Patricinhas de Beverly Hills





Conan - O Destruidor





Um Dia Especial





Forças do Destino




O Milagre Veio do Espaço
Bonitinho pacas!




Crocodilo Dundee
Da cena final bacana!






Manequim: A Magia do Amor
De bom, a música do Starship e, é claro, Kristi Swanson!




Hook - A Volta do Capitão Gancho
Só Robin Williams poderia ter feito mesmo!




O Pestinha




Loucademia de Polícia





WaterWorld
A crítica geralmente achincalha este, mas eu sempre gostei. Vai entender...





Brinquedo Assassino
OK, não vou dourar a pílula: quando tinha nove, dez anos, me cagava de medo desse filme. Não gostava de ver nem o comercial.




O Resgate de Jessica






Vivos

 


Irmãos Gêmeos




Elvira - A Rainha das Trevas
Esse é daqueles que a gente via a chamada e pensava "pô, Globo, Elvira?!! Daí, se não tinha absolutamente NADA mais interessante pra fazer, acabava assistindo. E pelo menos a protagonista era gostosona.

 



Os Picaretas
A cena em que o Eddie Murphy atravessa a rodovia é impagável!





Free Willy. Eu odeio esse filme



Sessão da tarde - Vinhetas de Abertura (não incluí a atual por motivos óbvios)





Este blogueiro adora aprontar confusão!





Links:


Nenhum comentário: