sexta-feira, 22 de março de 2013

Overlook Hotel


Já falei algumas vezes por aqui sobre adaptações cinematográficas vindas de filmes. Como meu autor favorito é o americano Stephen King, é natural que a maioria dos posts deste tipo sejam sobre versões vindas da obra do escritor.
De todas elas, é possível que a mais famosa seja O Iluminado (1980), estrelado por Jack Nicholson em um dos seus melhores trabalhos na carreira. De fato, é um bom filme de terror sem ter aqueles exageros de sangue e gritos histéricos - embora os tenha - presentes na maioria dos filmes do tipo produzidos na década de oitenta, característica retomada em tempos mais recentes em filmes como O Albergue ou na desgastada franquia de Jogos Mortais. Discordo daqueles mais puxa-sacos que dizem que o filme O Iluminado seja genial, embora tenha sido mesmo feito por um dos melhores diretores da história do cinema, Stanley Kubrick. Sequer é o melhor trabalho dele. Geralmente, aqueles que colocam este longa acima do bem e do mal não leram o livro original, inegavelmente muito superior à sua contraparte cinematográfica. Quem lê o livro primeiro, como minha mãe fez há algumas semanas, se decepciona ao ver o filme, mesmo com a atuação quase impecável de Nicholson como o zelador do Overlook Hotel. Como em quase todo filme vindo originalmente de livro, a impressão é que as coisas acontecem rápido demais na tela. Além do mais, Stephen King sempre foi muito bom em desenvolver e modificar personagens conforme a história se desenlaça. No caso de Jack Torrance, personagem central da trama, esse desenvolvimento se resume à loucura, outra especialidade de King em seus textos.
No geral, não tenho muito o que falar sobre a história que já não tenha dito no post sobre o livro. Contudo, além do que disse acima sobre o ritmo "acelerado" do filme em relação ao livro - algo praticamente impossível de ser evitado - o final de ambos também é diferente. O do livro é melhor. Essa, provavelmente foi uma das razões para que Stephen King não tenha gostado do resultado final da película Uma delas, mas não a única.
Falando exatamente nisso, um dos aspectos irônicos desse desapontamento de King com o filme se deve à icônica escolha e, consequentemente atuação de Nicholson como Jack. Segundo King, o personagem original começa a história como um bom homem lutando contra os males causados pelo alcoolismo. Para ele, Nicholson era conhecido por interpretar papéis de homens instáveis mentalmente e já deixa isso transparecer já no começo do filme. Pessoalmente - e com a "autoridade" de quem viu as duas versões -  concordo com esse ponto de vista do escritor. De fato, já no início de O Iluminado temos a impressão de que Jack Torrance possa ter um parafuso a menos.
Mesmo assim, tudo o que se pode ser dito negativamente sobre o filme se resume apenas às diferenças entre obra original e roteiro. No que diz respeito à execução, O Iluminado é impecável. Além de Nicholson, o restante do elenco - incluindo o garotinho Danny Lloyd, o "iluminado" do título - também tem um trabalho muito bom. Stanley Kubrick, com sua exigência pela perfeição nos mínimos detalhes, levou quase um ano para completar as filmagens.

Particularmente, gosto de histórias que se passam em ambientes isolados. Que lugar pode ser mais isolado do que um hotel mal-assombrado nas montanhas do Colorado durante o inverno?

O Iluminado não é meu filme de terror favorito de todos os tempos, mas é um ótimo filme mesmo assim.

The Shining - trailer


Nenhum comentário: