quinta-feira, 21 de março de 2013

O Exterminador

A década de 1980 foi extremamente generosa com a ficção científica no cinema, um dos meus gêneros favoritos: Ridley Scott - que em 1979 já havia dirigido o clássico Alien - foi o responsável pelo filosófico Blade Runner (1982). Em 1986, James Cameron assumiu a franquia dos monstrengos e seu Aliens é até hoje uma das melhores sequências já produzidas. Em 1987 foi a vez de outro ser de outro planeta entrar para a história: nas selvas da América Central, o Predador encarou um Arnold Schwarzenegger no melhor de sua forma. No mesmo ano, o policial do futuro Robocop deu as caras pela primeira vez. Ainda nos anos oitenta, dois dos três filmes da série Mad Max foram lançados. James Cameron voltou ao gênero em 1989, no subestimado O Segredo do Abismo. Isso sem falar no meloso e sem graça E.T., de Spielberg e das duas nerdíssimas sequências de Guerra Nas Estrelas.
Mencionei Schwarzenegger no parágrafo acima e, apesar de ter sido revelado em Conan, O Bárbaro (1982), foi a franquia O Exerminador do Futuro que marcou seu papel mais emblemático. A série - ou os dois primeiros filmes, pelo menos - é um verdadeiro clássico, com um enredo relativamente simples, mas competente.
Dirigido por James Cameron (como é bom em fazer ficção-científica esse cara!), O Exterminador do Futuro (1984) tem como base a idéia de que, alguns anos no futuro, os humanos criarão uma inteligência artificial tão perfeita que se torna consciente e se volta contra seus criadores. Depois de um cataclisma nuclear, os poucos sobreviventes da raça humana formam uma resistência contra a rebelião das máquinas. O ponto de partida do filme se dá quando os inimigos enviam um ciborgue exterminador ao ano de 1984, programado para matar a futura mãe do líder da resistência humana, John Connor, eliminando assim a própria existência dele no futuro. Connor, em contra-partida, envia ao passado - ou ao presente, como quiser - um de seus soldados para protegê-la. O desenrolar da história se dá a partir dessa premissa básica: Sarah Connor e Kyle Reese fugindo do Exterminador para garantir a esperança do futuro da humanidade. Embora o final do filme fosse previsível, em nenhum momento se pode dizer que se trata de uma produção comum. Michael Biehn (Kyle Reese) Lance Henriksen e Bill Paxton (que faz uma ponta no início do filme) também participaram de outro arrasa-quarteirão de Cameron, Aliens - Henriksen foi além e esteve presente também em Alien Vs Predador (2004).

Muita gente considera a sequência de O Exterminador do Futuro, lançada em 1991 com o subtítulo de O Julgamento Final e também dirigida por Cameron como melhor do que o primeiro filme. Pode até ser que seja ligeiramente melhor, mas não tanto assim. Basicamente, a história é a mesma, exceto que o exterminador vindo do futuro é de um modelo bem mais avançado - quase indestrutível, na verdade - e que sua missão é matar o próprio John Connor quando criança. Outra diferença é que o protetor de Connor dessa vez é outro ciborgue, de modelo similar ao do primeiro filme. Os avanços nos efeitos especiais também ficam bem claros se compararmos o original à sequência.
O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final tem mais cara de superprodução do que seu antecessor (ganhou 4 Oscar "técnicos) e seu final dá poucos ganchos para uma possível segunda sequência. É claro que os figurões da Universal pouco se lixaram para isso e, em 2003 lançaram um terrível O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas. Além do fato de terem "matado" a personagem de Sarah Connor, ainda contou com um elenco e direção bem fracos, um roteiro exagerado e um Scharzenegger obviamente velho demais para reprisar seu papel de exterminador assassino - a cara dele estava tão cheia de maquiagem que dá vergonha até de ver.
Em 2008, talvez para promover o vindouro quarto filme da franquia, a Warner lançou Terminator: The Sarah Connor Chronicles, uma série de TV que narrava o período entre o segundo e o terceiro filmes. Durou duas temporadas - cheguei a ver os primeiros episódios e admito, não era de todo o mal - e foi protagonizada por Lena Headey e Summer Glau, duas... hmmm... deixa pra lá.
Em 2009, Christian Bale encarnou o John Connor do futuro no bom-mas-desnecessário O Exterminador do Futuro: A Salvação. Apesar do final dar brecha para uma possível quinta parte - que já foi anunciada sob a batuta de Cameron - não há data prevista para o início da produção.
Apesar das últimas produções terem baixado um pouco o nível, os dois primeiros filmes da série viraram clássicos, além de originarem uma das personagens mais fodonas da história do cinema, Sarah Connor - comparável à Ripley de Alien e à Noiva de Kill Bill. E do eterno bordão "Hasta la vista, baby", dito pelo Exterminador antes de mandar o T-1000 pelos ares.
 
 
O Exterminador do Futuro (1984) - trailer
 
 
 
 
O Exterminador do Futuro 2 - O Julgamento Final (1991)




Nenhum comentário: