segunda-feira, 4 de março de 2013

Na estrada com o Senhor dos Sonhos



Conheci Sandman de Neil Gaiman totalmente por acaso. Acho que eu devia ter uns dezesseis anos - talvez a melhor época da minha vida - e meu pai trabalhava reformando a casa de um senhor na Vila Mariana. Bem, esse senhor tinha um filho de vinte e poucos anos que curtia quadrinhos, mas não colecionava. Entenda bem, curtia mesmo, comprava de tudo um pouco e deixava as revistas - um monte - espalhadas pela casa. Bom, o caso é que eles descobriram que eu gostava de HQ's de heróis na época e me mandaram uma porrada de títulos. Boa parte eu já tinha - troquei-as tempos depois - mas fiquei com bastante coisa que sequer tinha ouvido falar.

Delírio
Nesse meio, estavam nove edições da revista mensal de Sandman, da época em que era publicado pela Editora Globo no Brasil, mais os dois especiais: Orpheus e uma republicação da edição #8. As tais edições mensais eram os números 41 a 49, que compreendiam o início e o fim do arco Vidas Breves, um dos melhores do título - embora seja difícil afirmar que qualquer um deles seja "menos melhor" do que o outro. De qualquer forma, talvez pelo fato de ser o meu primeiro contato com o "universo dentro do Universo DC" criado por Gaiman, essa saga é uma das minhas favoritas... da minha HQ favorita de todos os tempos. Depois que li Sandman, todas as outras ficaram em segundo plano.

Vidas Breves começa com uma garota toda estranha sentada em uma sarjeta, na chuva. Ela fala coisas que, tanto são completamente sem nexo quanto fazem todo o sentido. Em um diálogo com uma mendiga, diz que perdeu seu irmão há muito tempo e que precisa mudar.

"Mudar. Mudar. Mudar. Mudar. Mudar. Quando dizemos uma palavra várias vezes, ela perde todo o significado. Ou talvez não signifique nada mesmo. Nós é que achamos que sim".
Delírio

Para mudar, precisa encontrar seu irmão perdido, que abandonou o próprio reino trezentos anos atrás.

A tal garota é Delírio, a mais jovem da raça dos Perpétuos, seres que não são deuses, pois já estavam aqui quando o primeiro deus veio a existir e serão os últimos a morrerem depois que o último ser vivo desaparecer do universo. Os Perpétuos são Destino, Morte, Sonho, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio. Cada um representa seu respectivo domínio - ou o "encarna", dependendo do ponto de vista. Mas isso é assunto para um próximo post.

Para Delírio conseguir encontrar seu irmão, ela precisa de ajuda, já que não é a mais equilibrada dos Perpétuos. Depois de levar um "não" de Desejo e Desespero, recorre à ajuda de Morpheus, Senhor dos Sonhos. Contudo, Sonho é o Perpétuo com a personalidade mais trágica e está deprimido devido a uma decepção amorosa.

Chove muito no Reino dos Sonhos.

Depois de hesitar um pouco, Morpheus decide ajudar Delírio, não por ter algum interesse em particular em encontrar Destruição, mas porque chega à conclusão de que precisa de algo para se distrair.  Concorda em se juntar à busca, desde que ela seja feita inteiramente no Mundo Desperto.

Futuramente, pretendo fazer um post mais detalhado dessa série. Só quis usar esse post pra contar como conheci o universo de Sandman, já que o mencionei diversas vezes neste blog mas nunca entrei em maiores detalhes.

Pra quem se interessar, a Panini publicou recentemente dois encadernados com o início da saga. Embora seja caro - cada volume pode ultrapassar os cem reais, dependendo do lugar - é uma coleção para se guardar para a vida inteira.

Logo volto a falar do assunto.

SANDMAN: VIDAS BREVES - GALERIA



























2 comentários:

Milena Caldas de Souza disse...

Cara, eu vim aqui meio que retribuir uma visita que você fez em 2011 ao meu blog (enquanto procurava fotos de Carrie). Deixo muito a desejar quando se tratar em olhar comentários (como você pode perceber).
Você me indicou Gaiman e King, já conhecia os dois, mas hoje coincidiu com o dia que consegui adquirir o primeiro volume de coisas frágeis (que você indicou por sinal) e vi seu comentário tive que voltar.
Ai fui olhar em literatura e vejo esse seu post sobre Sandman, meus quadrinhos preferidos.

De toda forma, obrigada pela visita e pela indicação. ;]

amadoslivros.blogspot.com.br

Augusto Fernandes Sales disse...

Voltei ao seu blog e vi meu comentário. Nem me lembrava mais dele. É estranho quando isso acontece, você vê algo que sabe que escreveu mas ao mesmo tempo parece ter sido escrito por outra pessoa.

Enfim...

Ainda pretendo fazer um post decente sobre Sandman aqui. Mas ainda vai demorar um pouco.

Abraço.