sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Os 20 Maiores Filmes de Todos os Tempos - 2º Fight Club (1999)

fight club, de Cris Mitsue



 - As pessoas sempre me perguntam se conheço Tyler Durden.


Filosofia pura. Essas são as duas palavras que resumem Clube da Luta, embora à primeira vista possa parecer apenas mais um filme superficial e idiota ao estilo Esporte Sangrento e tantas outras produções de qualidade duvidosa que infestavam nossas TV's em meados dos anos noventa.
Se você gosta de Clube da Luta ou não quando o vê pela primeira vez depende mais do seu ponto de vista vigente sobre o mundo real do que pelo filme em si. Tal afirmação se sustenta no fato de que, em exibições preliminares antes de seu lançamento, a platéia gargalhou. Algum tempo depois, quando exibida após o Massacre de Columbine, a audiência o taxou de violento e inapropriado.

Daí se deduz que o que faz algo ser controverso são os fatores externos e não a obra em si, concorda?

Não importa.

Uma expressão qua talvez fosse apropriada para descrever Clube da Luta - além da citada no início do texto acima - seria "um filme de gente doida". Mas não aquela loucura do tipo Charles Manson, que nunca falou coisa com coisa e mesmo assim é admirado por um punhado de imbecis-nerds-reclusos mundo afora, mas aquela loucura que faz sentido, no melhor estilo...hmmm... Delirium, do universo de Sandman de Neil Gaiman.

"Depois de uma briga, todos os outros acontecimentos à sua volta parecem ficar com o volume mais baixo".

Obras com pseudo-críticas à "hipocrisia da sociedade" tem de monte por aí. Contudo, todas seguem algum tipo de pensamento pré-determinado por algum Nietzsche (tive que pesquisar no Google para descobrir como se escreve o nome desse cara) da vida e raramente conseguem passar alguma mensagem além da própria hipocrisia de fazer parte do mesmo sistema que tentam criticar.

Clube da Luta é diferente nesse sentido. Ao final do filme, por mais porraloucas que sejam as atitudes do(s) protagonista(s) durante toda a história, é possível achar algum sentido nas justificativas.

O que inspirou Chuck Palahniuk, autor do livro original publicado em 1996, a escrever Clube da Luta foi um fato tão banal quanto perturbador. Durante um acampamento, Chuck foi surrado por um grupo de rapazes que ficaram irritados quando ele reclamou do volume alto do radio. Quando voltou ao trabalho, na segunda-feira, nenhum dos colegas, vendo seus ferimentos, perguntou o que havia acontecido, se limitando apenas aos triviais "Ei, como foi o seu final de semana?".
Chuck chegou à conclusão de que faziam aquilo porque, demonstrar alguma preocupação traria junto a necessidade de interação pessoal e seus colegas não davam a mínima em se conectar a ele em um nível pessoal. Sua fascinação por esse "bloqueio" das pessoas lhe plantou as idéias para a criação da história.

Clube da Luta não chega ao ponto de criticar o consumismo e a eterna busca das pessoas por chegar a um nível de beleza, sucesso e fortuna pré-estabelecido pela TV. Contudo, sem dúvida ele ao menos questiona tudo isso.

O QUANTO VOCÊ CONHECE DE SI MESMO SE NUNCA ESTEVE EM UMA BRIGA?

O protagonista é um rato de escritório consumista e insone que encontra refúgio psicológico em grupos de apoio - mesmo ele próprio não sendo um ex-alcólatra, ex-drogado, etc. Contudo, sua vida muda quando conhece Marla, que faz exatamente a mesma coisa, tirando o efeito da "terapia" em sua vida - afinal, ambos não passam de mentirosos tirando proveito da dor alheia. Depois, voltando de uma viagem a trabalho, conhece Tyler Durden, um sujeito que vive da venda de sabão fabricado em casa e que não tem qualquer apego por coisas materiais. Como Durden representa alguém que nosso herói provavelmente jamais será, a amizade entre ambos é inevitável. Juntos, criam um clube clandestino em que dois homens lutam, sem objetivo de vencer, apenas brigar. Aos poucos, os planos de Tyler vão crescendo e um exército com um objetivo obscuro vai sendo montado.

Afinal de contas, o termo que melhor define Clube da Luta é "caos psicótico libertador".

Ou algo parecido.

Fight Club (1999)
Clube da Luta
Dirigido por David Fincher
Escrito por Chuck Palahniuk (livro) e Jim Uhls (roteiro)

Edward Norton
Brad Pitt
Helena Bonham Carter
Meat Loaf

Indicado ao Oscar de Melhor Edição de Som.


Data de estréia no Brasil: 29 de outubro de 1999


Fight Club (1999) - trailer



Fotos







3 comentários:

Cris Mitsue disse...

Nunca fale sobre o clube da luta!

Ficou muito bom :]]

Augusto Fernandes Sales disse...

Tive que rever o filme para entender a presença do pinguim no seu desenho.


SLIIIIDE!

Lidia Sales disse...

Não sou fã de filmes que abordam muito a violência, assistí sim, mas não tenho vontade de revê-lo.
E ainda por cima, houve o episódio desastroso "protagonizado" por um louco contra os cinéfilos presentes no cine do shopping Morumbi.