quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Os 20 Maiores Filmes de Todos os Tempos - 20º A Clockwork Orange (1971)

"Havia sido uma noite maravilhosa e o que eu precisava agora, para que tivesse o final perfeito, era um pouco de Ludwig Van"



Empatado com um contemporâneo filme de super-herói, Laranja Mecânica é, apesar de toda a arte, metáforas, teatralidade e originalidade, uma obra perturbadora. A própria experiência pela qual o autor da obra original viveu e que serviu de inspiração para que a escrevesse é uma prova de que esse mundo definitivamente não é um conto de fadas. Depois de viver durante um período na Malásia na Segunda Guerra Mundial, o escritor Anthony Burgess voltou para Londres. Lá, sua esposa foi atacada por quatro soldados americanos, ação que causou à mulher sequelas físicas e mentais para sempre. Daí toda a violência presente na obra.

Laranja Mecânica critica duramente a sociedade britânica, ambientada em um regime extremamente totalitário. No entanto, seria um erro afirmar que muitos dos males presentes na história se restringem apenas às terras da Rainha. A perda do controle da violência - sobretudo a delinquência juvenil e, mais ainda, a de classe média - tem sido algo tão presente no mundo de 2012 que é inegável o fato de que A Clockwork Orange se mantêm atual até os dias de hoje. Pior ainda, visto atualmente o filme choca muito menos do que na época em que foi lançado - Kubrick e sua família receberam diversas ameaças de morte, o que fez com que o diretor tenha cancelado o lançamento doméstico da obra na Inglaterra. Disso, conclui-se que muita coisa presente nas metáforas da história se tornou comum nos dias de hoje.

Poucas pessoas sabem, mas Mick Jagger comprou os direitos de A Clockwork Orange por "míseros" 500 dólares, com a intenção de que os Rolling Stones interpretassem os droogs. Posteriormente, o músico revendeu os direitos por uma quantia bem maior. Tempos depois, Stanley Kubrick dirigiu este que é um dos mais controversos filmes de todos os tempos.


BEING THE ADVENTURES OF A YOUNG MAN WHOSE PRINCIPAL INTERESTS ARE RAPE, ULTRA-VIOLENCE AND BEETHOVEN

Na Inglaterra, em um futuro não definido, o jovem Alex e sua gangue cometem arruaças, dirigem perigosamente, espancam mendigos, invadem a casa de ricos para agredir e estuprar. Não sem antes passar no Korova Milk Bar e tomar algumas doses de leite. Alex falta à escola e trata seus droogs (amigos, segundo a língua falada no filme, uma mistura de russo, inglês e gírias) como verdadeiros subalternos.
Após invadir uma residência e, acidentalmente matar uma ricaça, Alex é responsabilizado sozinho pelo crime, depois de ser traído por seus amigos, que fogem. Sentenciado a 14 anos de prisão, o jovem vê uma chance de reduzir sua pena ao se oferecer como cobaia em um experimento do Governo, que promete reduzir a criminalidade tirando toda a sua compulsão pela violência.
O filme explora, sobretudo, como a tentativa de mudar a natureza de Alex pode sair do controle e causar consequências inesperadas, além de criticar também o fato de que quase tudo na sociedade se resume às disputas políticas. Também há o debate sobre o livre-arbítrio e de quanto o Governo pode intervir na vida particular de uma pessoa.

Com um visual totalmente artístico e interpretações propositalmente teatrais ao extremo para um longa-metragem de cinema, Laranja Mecânica é um filme peculiar, profundo e filosófico.




 
A Clockwork Orange (1971)

Laranja Mecânica
Dirigido por Stanley Kubrick
Escrito por Stanley Kubrick (roteiro) e Anthony Burgess (romance)

Malcolm McDowell
Patrick Magee
Michael Bates

Indicado a 4 Oscars (diretor, edição, roteiro adaptado e filme)
Indicado a 3 Golden Globes (diretor de filme, filme-drama e ator-drama - Malcolm McDowell)
Indicado a 7 BAFTA's (direção de arte, fotografia, edição, roteiro, trilha sonora, diretor e filme)

Data de estréia nos Estados Unidos: 02 de fevereiro de 1972


A Clockwork Orange -  trailer




Masterpiece trailer 02




Fotos






























Um comentário:

Lidia Sales disse...

Quando assisti a esse filme, era tão jovem, que ia ao cinema sem nem sequer saber do que se tratava, o importante era apenas sair um pouco com as amigas do colégio.Nesse caso, hoje preciso revê-lo!