sábado, 23 de outubro de 2010

Atividade Paranormal 2

É verdade que eu estava em dúvida entre assistir ou não Atividade Paranormal 2 no cinema (típico caso de "ou faz ou desocupa a moita"), mas ao ver que a data da estréia do filme seria hoje (22/10), eu não resisti. De qualquer forma, também acabei dando sorte. Na sessão que eu escolhi, só tinha umas vinte e cinco pessoas na sala, então foi relativamente sossegado.


Se você ainda não viu o filme e não quer estragar a surpresa, pare de ler o texto aqui. Vou fazer alguns comentários, alguma resenha, alguma sinopse... Bom, você entendeu. Um pouco de tudo...

Embora a maioria das pessoas pensasse que o segundo filme continuaria de onde começou o primeiro, não é isso que acontece. É um típico caso da saga de Guerra nas Estrelas ou da quadrilogia de O Silêncio dos Inocentes. A história de Atividade Paranormal 2 começa, na verdade, cerca de um ano e dois meses antes do final do primeiro filme.
Atividade Paranormal 2 explica algumas coisas do primeiro longa. Não é exatamente o caso de "amarrar as pontas soltas", pois o filme original não havia deixado muita coisa a ser explicada. De qualquer forma, ao final do segundo filme compreendemos o motivo se Katie ser perseguida por aquele espírito demoníaco, assim como também é explicada aquela foto dela toda queimada encontrada no sótão da residência do casal.
Logo de cara somos apresentados a uma família que acabou de ganhar mais um membro, o bebê Hunter. Na casa moram Daniel e sua esposa Kristi, a filha de Daniel e enteada de Kristi, Ali, a empregada de meia-idade de origem espanhola Martine, uma fêmea de pastor-alemão chamada Abby, além é claro do bebê recém nascido. O começo também revela que Kristi, na verdade é a irmã de Katie, a garota assombrada por um demônio no filme original. Todo o filme é mostrado no mesmo estilo do primeiro longa, através de filmagens caseiras feitas com a câmera de video da família.

Daniel e Hunter

Para quem viu o trailer, a revelação de que Kristi e Katie são irmãs surpreende. O próprio Micah, marido de Katie no primeiro filme, faz algumas aparições nos videos da família, quando o casal vai visitá-los ocasionalmente.
A história salta cerca de um ano para o momento em que a família volta de um passeio e encontra os móveis da casa revirados. Na pressa para documentar tudo, Daniel acaba gravando por cima das imagens dessa primeira fita, que mostra inclusive o dia em que o bebê chegou à casa. Logo depois, Daniel manda instalar câmeras de segurança em vários pontos estratégicos da residência, para o caso de uma nova invasão domiciliar.

Kristi e o bebê
Essa também é uma grande diferença para o primeiro filme. Enquanto no original as imagens são produzidas  apenas pela câmera de Micah, nessa sequência as imagens alternam entre a câmera "de mão" e as várias câmeras do circuito interno espalhadas pela casa. Dá uma visão geral do que acontece em todos os cômodos ao mesmo tempo.

Ali e a empregada Martine
Pouco a pouco, começa a haver estranhos acontecimentos na casa, mas nada que não possa ter alguma explicação plausível (o vento movendo algumas portas, etc). Mesmo assim, a empregada da família sente que há algo mal naquela casa. Em determinado momento,  Ali surpreende a empregada fazendo algumas orações na cozinha. Questionada pela garota sobre isso, Martine responde que aquilo é para afastar os maus espíritos da casa e manter os bons espíritos por perto.


O casal sai uma noite e deixa a empregada cuidando do bebê. Ao ouvir um barulho no andar de baixo, a mulher pega a criança no colo, acende um incenso (que nojo desse treco!) e vai indo de cômodo em cômodo da casa, sempre rezando. No momento em que chega à porta de entrada, o casal chega em casa e Daniel fica furioso ao ver a mulher fazendo aquilo. Em seguida, provavelmente no dia seguinte, a empregada é despedida. Daniel diz para a mulher que não acredita nequele tipo de coisa.
Algumas outras coisas estranhas começam a acontecer. Sons vindos do quarto do bebê. Objetos que caem na cozinha no meio da noite. Kristi começa a acreditar que há alguma coisa sobrenatural na casa. Daniel diz pra ela que é tudo coisa da imaginação da mulher. Comenta com a filha que talvez seja depressão pós-parto. Ali parece ficar empolgada com a idéia de que talvez haja algum espírito rondando a casa. Chega a sugerir ao pai que talvez pudesse ser o espírito da mãe, primeira esposa de Daniel.


Em uma visita de Katie e Micah à família, Daniel brinca com os novos medos de Kristi. Ao mesmo tempo, Micah conta a Daniel que as duas irmãs tiveram experiências paranormais na infância. Katie fica claramente incomodada com o assunto e não dá mais detalhes.
Tentando distrair um pouco a cabeça da esposa, Daniel a convida a passar uma noite fora. Embora um pouco a contragosto, Kristi concorda em deixar Ali tomando conta do bebê.
Naquela noite, enquanto o bebê está no berço, Ali e o namorado (o moleque mais feio que já vi em toda a minha vida!) brincam com um tabuleiro ouija, para tentar entrar em contato com a assombração da casa (assim como Micah fez no primeiro filme). Depois de algumas piadinhas do garoto, o indicador do tabuleiro supostamente teria indicado as leras H-U-N-T, mas a possível conexão com o nome do bebê é ignorado por Ali.
Depois que Brad, o namorado de Ali, vai embora, a garota dorme no sofá, quando as câmeras do circuito interno de TV captam uma sombra que começa a cobrir seu corpo. Ali acorda assustada. Assim que se levanta, ouve uma batida na porta da frente. Ao sair para investigar, a porta bate sozinha, deixando a menina presa do lado de fora da casa.
Enquanto a garota tenta entrar em casa, as câmeras captam o bebê Hunter sendo arrastado pra fora do berço e depois perambular pela casa. Quando Daniel e Kristi chegam,  Hunter está chorando no berço e Ali ainda está no jardim. A garota é repreendida pelo pai por ter aberto a porta sem saber quem poderia estar do lado de fora. Ali afirma ter ouvido alguém chamar seu nome enquanto dormia no sofá e passa a acreditar nos relatos de Kristi de que talvez algo realmente esteja assombrando a casa. No dia seguinte, Ali mostra o video da porta batendo sozinha a Daniel, mas o pai da garota afirma ter sido o vento. Aparentemente nenhum deles viu o video em que Hunter é arrastado pra fora do berço.
A partir daí, a garota começa a pesquisar na internet sobre esse tipo de coisa. Um dia, junto com o namorado, encontra algo em um site que é no mínimo curioso: se uma pessoa faz um pacto com um (ou seria "o"?) demônio em troca de riqueza e poder, quando o primeiro filho homem dessa pessoa nascer, a tal entidade vai reclamar a criança para si, como uma espécie de pagamento. Ali cogita a possibilidade de a bisavó de sua madrasta ter feito algo do tipo. Depois descobre que Hunter é o primeiro filho homem do lado de Kristi da família, desde a época da bisavó da mulher.


Sem Daniel saber, Kristi comenta sobre suas suspeitas a Katie. (quem viu o primeiro filme, sabe que as duas têm um histórico de ver assombrações desde criança). Katie tenta convencer Kristi a ignorar o que quer que esteja assombrando a casa. Afirma que a coisa talvez se alimente de medo e queira chamar a atenção.  Kristi diz que vai tentar. Pouco tempo depois, em plena luz do dia, acontece o primeiro acontecimento realmente estranho e assustador, mas apenas Kristi está presente. Ao chegar de um passeio com Abby (a fêmea de pastor-alemão), Ali percebe o nervosismo da madrasta. Kristi conta a Ali sobre a conversa que teve com a irmã e sobre tentar ignorar aquilo tudo.
Na noite seguinte, todos estão dormindo normalmente quando, por volta das três da manhã, alguma coisa chama a atenção do cachorro. Ele late algumas vezes e desce as escadas. As câmeras mostram o cão ser arrastado para um ponto cego (onde as câmeras não conseguem filmar) e ser atacado por alguma coisa. Só é possivel ouvir os gritos de dor do cachorro.
Assustada, a família desce para ver o que está acontecendo e encontra o animal desmaiado. Imediatamente, Daniel e Ali levam a cadela para o veterinário no meio da noite. Kristi fica sentada na escada, ligando para Daniel a cada cinco minutos para saber como estão as coisas.
Começa aí um dos pontos altos do filme.
Pouco depois das quatro da manhã, Kristi ouve o bebê chorar no andar de cima. Ao entrar no quarto, alguma coisa a segura pelos pés e a arrasta violentamente para o corredor. (esta cena é praticamente igual à do primeiro filme, mas muito mais impressionante pela violência). Quando está sendo arrastada escada abaixo, ao gritar "me largue, me largue!", Kristi consegue se levantar e corre de volta para o quarto do bebê... apenas para ser pega de novo e ser arrastada ainda com mais violência para o andar de baixo. Ainda aos gritos, é arrastada através da sala e finalmente ao porão. A porta bate e Kristi fica presa lá embaixo. Algum tempo depois, a porta se abre e a mulher, em transe (como Katie no primeiro filme), sobe as escadas para seu quarto.
Na manhã seguinte, Daniel se levanta para ir trabalhar mas não consegue fazer com que Kristi saia da cama. Então, deixa Hunter aos cuidados de Ali e diz que logo estará em casa. Ali pede para levar o bebê até a casa de Brad, seu namorado, mas o pai se recusa a deixá-la ir.
Mais tarde, Ali sobe até o quarto de Hunter com a câmera ligada. Pela fresta da porta, vê Kristi deitada perto do berço do bebê. Kristi tem uma marca de mordida na perna esquerda (a mesmíssima marca que Katie "ganha" no primeiro filme, depois de ser arrastada pelo corredor).
A cena seguinte já mostra Ali chorando, ligando para o pai, pedindo que ele volte pra casa o mais rápido possível, pois "tem alguma coisa de errado com a Kristi". Antes que Daniel volte, Ali vê as imagens de Kristi sendo arrastada escada abaixo. Quando seu pai chega, ela o convence a ver aquelas imagens antes de ver como a mulher está.
Finalmente convencido de que há alguma coisa sobrenatural na casa, Daniel pede ajuda a Martine, a empregada demitida no começo do filme. As câmeras de segurança captam Daniel auxiliando Martine a preparar algum tipo de ritual. Na imagem seguinte, vemos Ali e Daniel discutindo sobre fazer ou não aquilo. Daniel argumenta: "Martine disse que deve ser algum parente de sangue!", enquanto Ali diz, "Mas ela é irmã da Kristi!". Daniel afirma que vai fazer aquilo, quer Ali queira ou não.
A partir daí, começa o segundo momento de tensão do filme. Quem viu o primeiro Atividade Paranormal, sabe que Kristi está possuída e, principalmente, do que ela é capaz. Ao tentar colocar o crucifixo na mão da esposa, Daniel é atacado por ela, ao mesmo tempo que TODAS as luzes da casa se apagam, exceto a lâmpada da câmera que está na mão de Ali.
Daniel procura pelo bebê e por Kristi. Ambos desapareceram. Daniel ouve um barulho no porão e é pra lá que ele vai. Kristi está lá.
Por fim, depois de alguma confusão, Daniel aparece deitando Kristi na cama. Em seguida, põe fogo em uma foto de Katie quando criança (aí sim entendemos a finalidade do tal ritual).


As coisas voltam ao normal.

Por um tempo.

Três semanas depois de viver aquele inferno, a família recebe a visita de Katie. Ela conta para Kristi que estão acontecendo algumas coisas estranhas em casa e Micah não acredita nela. Kristi dá a ela o mesmo conselho que Katie havia lhe dado algumas semanas antes: "tente ignorar isso, não deve ser nada".

Cronologicamente, começa aí o período do primeiro filme, que termina com a morte de Micah e o desaparecimento de Katie, em 08 de outubro de 2006.

Agora, estamos em 09 de outubro de 2006, de volta à casa da família de Daniel.
Kristi está no quarto do bebê, tentando fazê-lo dormir. Ali está fora, em um passeio de escola e Daniel está deitado no sofá de casa, vendo televisão.
A imagem seguinte mostra Katie quebrando o pescoço de Daniel. Lentamente ela se vira e começa a subir as escadas...
... Kris está com Hunter no colo e ouve algo subindo para o andar de cima...

...Katie entra no quarto, atira Kristi contra a câmera (onde já vimos isso antes?) e pega Hunter no colo. Devagar, sai do quarto carregando o bebê.
Assim como no primeiro filme, vemos um texto do tipo "que fim levou?".

Ali voltou para casa em 12 de outubro de 2006 e encontrou os corpos dos pais.
Katie e Hunter continuam desaparecidos.

Desse final, podemos concluir duas coisas distintas:
1 - A série Atividade Paranormal termina aí, afinal, o tal demônio finalmente conseguiu o bebê "moeda de troca".

ou

2 - Teremos um completamente desnecessário Atividade Paranormal 3, adequadamente chamado de "O filho do Demônio" (ou coisa parecida)

Pelo fato de os produtores terem mudado o final do primeiro filme na versão do cinema, era mais do que óbvio que existiria uma continuação. Afinal, na indústria do cinema, a grana é quem dá as cartas.
Talvez fosse possível fazer o segundo filme sem ter que "explicar" o primeiro. Talvez os produtores tenham optado por essa fórmula por ser mais fácil. Ou talvez não.
Atividade Paranormal 2 não adiciona muita coisa ao primeiro filme. Em alguns aspectos até meio que estraga um pouquinho as coisas, pois eu não acho que aquele ritualzinho mequetrefe no final (azeite de oliva????) pudesse espantar um demônio daquele. Além do mais, porque logo a empregada é quem saberia como espantar o bicho pra longe?
Algumas outras perguntas pertinentes:

1 - Se o tal capeta queria o bebê, porque ele entrou em Kristi?
2 - Melhor ainda, se o tal capeta queria o bebê, como é que conseguiram mandá-lo para assombrar Katie? Tudo bem, depois que ele se apossou do corpo da garota, ele/ela foi realmente atrás de Hunter, mas mesmo assim...
3 - (essa vale para o primeiro filme também) Se o tal diabo assombrava a pessoa Kristi (assim como fazia com Katie no primeiro), porque ele ficava na casa quando todos saiam? Ele não deveria segui-la para qualquer lugar? E, já que ele só ficava por ali, porque as pessoas não iam pra fora de casa quando o bicho começava a pegar?
4 - Não acredito muito em simbologias. Por isso, tanto no primeiro quanto no segundo filme, não engoli direito aquela história do tabuleiro ouija. Por esse mesmo motivo, não fui muito com a cara desse negócio do demônio só aterrorizar a família por causa do bebê. Ele deveria aterrorizar a família de qualquer jeito, sem motivo, afinal, ele é um demônio. Isso contradiz um pouco o primeiro filme, no qual Katie afirma que ela e a irmã são atormentadas por visões de sombras no quarto desde pequenas;
5 - Uma das coisas que também não haviam convencido no primeiro filme era aquela foto queimada de Katie quando criança, que o casal havia encontrado no sótão de casa. O segundo filme explica o motivo disso, mas também não convence muito.

Atividade Paranormal 2 não acrescenta muita coisa ao primeiro. Explica algumas coisas que não precisavam ser explicadas. Mesmo assim, os momentos de pânico são tão intensos quanto os do primeiro. Assusta bastante, é verdade, mas a história deixou um pouco a desejar. 

Ainda assim, não chega a estragar a série. Isso só vai acontecer se os produtores (pode apostar nisso) fizerem o terceiro filme. Aí sim a vaca vai pro brejo.

Portanto: parem por aí, senhores. Já está bom.

Enquanto escrevia esse texto (ufa!), encontrei os cinco primeiros minutos do filme postados no blog atividadeparanormal2.blogspot.com e coloquei aqui também. Para quem tiver curiosidade, dá uma olhada aí. É um bom aperitivo.

video

Também incluí um dos mais recentes comerciais de TV sobre o filme. Está no video abaixo:

video
Vale a pena assistir. Não sei se vale a pena pagar 16 paus pra ver no cinema (como foi o meu caso), mas a (agora) série Atividade Paranormal ainda não foi estragada pelos caras que fizeram dela um sucesso. Ainda.

Abraço.

4 comentários:

marta matui disse...

Eu não devia de ter lido esse texto as 3 da manhã...

Augusto Fernandes Sales disse...

E eu, que assisti o primeiro filme sozinho, no escuro e com fones de ouvido...

lucas jara disse...

e uma pena eles não terem encontrado Hunter e Katie isso ainda e um grande mistério para quem esta acompanhando o filme não saber se o bebe e ela estão vivos.

Augusto Fernandes Sales disse...

Pois é. Quem sabe tudo não se revela no terceiro filme?